E-mail Marketing: Como Ele Pode Impulsionar Suas Vendas?

Muito antes da popularização da transformação digital, o e-mail já era uma das ferramentas mais utilizadas no mundo inteiro.

 

Para você ter uma ideia, segundo uma pesquisa realizada pela Pew Research mostrou que 92% dos adultos presentes utilizam o e-mail, sendo que cerca de 61% deles o utilizam diariamente.

 

Ou seja, o e-mail pode ter uma alta relevância mesmo nos dias atuais. Afinal de contas, ele simplifica o processo de responder dúvidas e solucionar reclamações dos clientes.

 

Além disso, uma empresa de cilindro hidráulico também pode utilizar o e-mail para se relacionar, atrair tráfego para o seu blog, oferecer descontos, promoções, divulgar sua empresa e impulsionar um lead (potencial cliente) em sua jornada de compra, entre outros.

 

E-mail Marketing: Como Ele Pode Impulsionar Suas Vendas?
Imagem de Kevin Phillips por Pixabay

 

Por essa razão, cada vez mais empresas estão vendo o e-mail marketing como uma grande oportunidade. Ele se trata do envio de e-mails segmentados com a intenção de se relacionar e converter leads em clientes fidelizado.

 

Abaixo, você verá como o e-mail marketing pode ser a solução para alavancar as suas vendas e fazer com que você tenha sucesso. Quer saber mais sobre tudo isso? Então não deixe de nos acompanhar neste post! Vamos lá?

 

Foque na Dor do Seu Cliente

Se utilizado de maneira estratégica, o e-mail marketing pode gerar resultados altamente positivos. No entanto, para isso, é preciso ter um bom conhecimento do seu público-alvo, afinal, você estará direcionando e-mails justamente para essas pessoas.,

 

E para impulsionar as suas vendas, você não precisa ter o discurso mais vendedor do mundo. Mas sim, é extremamente importante saber quais são as principais dores dos seus clientes, para assim, oferecer soluções por meio dos seus produtos e serviços.

 

Caso contrário, você estará apenas ofertando seus produtos sem nenhum diferencial. Atente-se a sua persona e elabore um planejamento para atingir seu público com precisão.

 

Faça Testes

A elaboração de testes ao disparar e-mails pode fazer toda a diferença no sucesso da sua estratégia de e-mail marketing.

 

Isso, pois com testes, a empresa consegue saber qual é a melhor versão de uma mesma estratégia.

 

E um dos testes mais utilizados dentro do e-mail marketing é o teste A/B. Por sua vez, ele se trata da elaboração de duas versões diferentes de e-mails, com alterações em títulos, informações, estruturas, etc.

 

Se você elabora um e-mail de venda de etiqueta de segurança com duas versões diferentes, o formato que mais for aceito pelo público é a com mais chances de impulsionar as suas vendas e trazer resultados.

 

Tenha um Fluxo de E-mails

Por fim, ter um fluxo bem definido de e-mails é um ponto primordial e que realmente vai fazer valer a estratégia de e-mail marketing.

 

O fluxo de e-mails serve para atingir os leads com precisão, de acordo com a sua determinada jornada de compra.

 

Um lead que acabou de conhecer uma empresa de adesivos para parede, por exemplo, provavelmente não comprará o produto, sem antes, receber informações mais abrangentes sobre o produto e o segmento.

 

Por isso, o fluxo de e-mails deve seguir com base no funil de vendas, seja no topo, meio ou fundo dele.

 

Agora que você já sabe sobre como o e-mail marketing pode impulsionar as vendas do seu negócio, o que acha de aderir essa estratégia e se destacar? Gostou do post?

 

Esse artigo foi escrito por Rafaela Ricardo, Criadora de Conteúdo do Soluções Industriais.

Como Usar Email Marketing no Seu E-commerce

Atualmente, poucas empresas e marcas podem se dar ao luxo de desprezar o e-commerce, não é mesmo? Dentro desse universo, uma das estratégias mais bacanas é a do email marketing, que pode impulsionar – e muito – as vendas online.

 

Segundo dados do próprio IBGE, o Brasil é o terceiro país que mais compra pela internet, sendo o primeiro da América Latina.

 

Já chega perto de 100 milhões de compradores, alguns confessando um verdadeiro hábito de compras, e não algo sazonal.

 

Diante disto, não há empresário, segmento ou nicho de mercado que não possa se beneficiar de tais vantagens.

 

Como Usar Email Marketing no Seu E-commerce

 

Sejam indústrias do setor primário, em busca de oportunidades e negociações, sejam comércios locais, lojas, oficinas e afins.

 

O e-commerce se tornou, portanto, uma realidade; e se impõe como tal, sendo indispensável.

 

Mas o que é uma solução para muitos, de cara traz uma série de problemas ou, pelo menos, de desafios.

 

Por exemplo, com o aumento da oferta de produtos, serviços e soluções em geral, tal mercado pode acabar ficando saturado. Caberá, então, aos que tiverem um diferencial, vencer a concorrência e se firmar como marca de sucesso.

 

Certamente, um dos maiores diferenciais a ser conquistado está no marketing digital, que é justamente a ótica publicitária e comercial exercida dentro deste próprio universo do comércio online: o da internet.

 

Contudo, o marketing digital também se desdobra em várias modalidades e estratégias que, muitas vezes, podem trazer mais confusão do que ajuda.

 

Foi pensando nisso que decidimos escrever este artigo, focado, sobretudo, no email marketing. Essa estratégia específica pode ir bem mais longe do que muita gente imagina.

 

De cara, ela também não é limitada por segmentos, de modo que pode trazer resultados positivos para qualquer marca, desde que seja bem utilizada.

 

Alguns ignoram, mas o email marketing vai muito além de simplesmente disparar ofertas para este ou aquele cliente.

 

Ele pode abranger todo o funil de vendas, desde a fase de prospecção até o pós-venda.

 

Além disso, o email marketing também pode se unir a outras modalidades online e tornar-se muito mais assertivo e promissor.

 

Por exemplo, você já pensou em usar marketing de conteúdo ao desenvolver os emails que vai disparar?

 

Ou ainda, já pensou que é possível gerar tráfego e, com isso, usar o email marketing como uma das frentes de SEO das suas campanhas digitais?

 

Portanto, se você quer saber mais sobre esse universo incrível, e sobre como usar tal estratégia no seu e-commerce, fazendo suas vendas aumentarem e fortalecendo sua marca, siga adiante até o fim da leitura.

 

Alguém Ainda Para pra Ler Emails?

Artigos como esse são importantes por várias razões, afinal, várias pessoas pensam que atualmente os emails estão “ultrapassados”, por assim dizer. Sobretudo depois do sucesso das redes e mídias sociais.

 

Mas esse tipo de opinião não passa de preconceito. Seria como dizer que flyers de festa não funcionam mais, que o marketing digital substituiu pra sempre o impresso, o que sabemos não ser verdade.

 

Justamente, se o outbound, o offline e o impresso sempre vão funcionar em suas áreas, o email marketing também continua funcionando, sobretudo para impulsionar o seu e-commerce. A questão é, na verdade, saber utilizá-lo.

 

Mais do que isso, também é preciso lembrar que ele tem um excelente ROI (Return on Investment), que é o Retorno Sobre o Investimento.

 

Certamente, ele está entre os excelentes ROIs do marketing digital, precisamente porque é capaz de ser feito por qualquer um, iniciado a qualquer momento, e trazer ótimos resultados sem grandes investimentos.

 

O maior receio é, com toda razão, que ninguém vá abrir o email disparado.

 

Mais ou menos como se você mandasse imprimir um monte de cartão de visita advogado, mas não saísse à rua para distribuí-los, deixando todos debaixo da mesa.

 

Por isso, a primeira grande dica consiste no formato do seu email, o que inclui desde o título, passando pelo layout da página, até o tamanho do material e o uso assertivo de tópicos, imagens e links.

 

Abaixo, aprofundaremos essas dicas, mas lembre-se: você é seu primeiro juiz. Afinal, não tem lógica disparar emails que nem mesmo você abriria ou leria inteiros, não é mesmo?

 

Apresentação e Conteúdos de Qualidade

Tudo começa pelo layout. Existe até um conceito que define isso, que é o de “escanear a página”, que consiste em primeiro checar um site ou email de cima a baixo, antes de ler tudo que está ali. Certamente, você também faz isso.

 

Assim, por mais assertivo que consiga ser em muitos aspectos, não adianta disparar emails sobre jaleco personalizado para aquele profissional que está procurando sobre isso, se o email for longo, com título confuso e tiver péssima apresentação.

 

As imagens e tópicos seguem a mesma lógica: não exagere na quantidade. Como o email deve ser curto, use um ou dois de cada.

 

No título também não se exagera, então ele precisa ser comercial sem ser apelativo demais.

 

Algo como “Por que personalizar seus jalecos fazem sentido hoje em dia?” pode ir muito bem, por exemplo.

 

Em situações como essa, você pergunta (retoricamente) em vez de afirmar, cria um suspense agradável, dá a entender qual o tema e junto promete um conteúdo.

 

Com isso vamos ao segundo ponto fundamental: não pense que email marketing consista apenas em newsletters, isto é, em anunciar produtos com “promoções arrasadoras”.

 

O cliente atual também quer conteúdo informativo e de qualidade.

 

Lembre-se, vivemos a era do marketing de conteúdo. É preciso estabelecer uma relação duradoura com a sua persona de público.

 

As perguntas essenciais que você faz para isso são:

  • Quais os gostos do meu cliente?
  • Qual o sexo, a idade e a escolaridade dele?
  • Qual a classe social e poder de compra?
  • Qual a constituição familiar?
  • O que mais o agrada nas compras?

 

Esses pontos são essenciais por vários motivos. Não faria sentido, por exemplo, você enviar email sobre clínica veterinária 24 horas para quem não tem bicho de estimação nem trabalha na área, não é mesmo?

 

Outro motivo é o storytelling, estratégia essencial para criar algo que agregue valor, pois nela você cria uma história que ensina algo marcante, sem deixar de ser comercial. Sendo que, para funcionar, você precisa entender seu público.

 

Além disso, você também vai precisar segmentar seus emails disparados, organizando melhor sua base de leads, de modo a torná-la realmente assertiva.

 

E é aí que entra a próxima grande dica.

 

Por Dentro do Funil de Vendas e da Segmentação

Na introdução mencionamos o funil de vendas. De fato, uma boa estratégia de email marketing pode abranger desde a fase de prospecção e todo o pré-venda, até as fases finais de pós-venda e fidelização do cliente.

 

Também assim, o email marketing é uma ótima possibilidade de comunicar, atrair e fidelizar os clientes de uma empresa.

 

O que precisa ficar claro é que seu consumidor não pula da fase de ignorar a existência da sua marca para a de cliente fiel.

 

Lembre-se: a palavra do momento é customização. Imagine se, além de escrever um email com bom layout e bons conteúdos sobre cortina blecaute para quarto, ele ainda contiver o nome do cliente no cabeçalho.

 

Se isso é bacana, a customização ainda vai muito além. O essencial dela é o ciclo de vida do cliente, o funil de vendas e a etapa da “jornada da compra” em que ele se identifica. Não faz sentido “forçar” o lead a comprar, se ele ainda não estiver maduro.

 

Por outro lado, se o cliente comprou um colar de ouro, é bem provável que não vá comprar outro todo mês, concorda? Neste caso é preciso, por exemplo, disparar emails sobre manutenção e cuidados com o produto.

 

Hoje já existem softwares que ajudam a montar esse histórico de cada cliente. São os famosos CRMs (Customer Relationship Management), de Gestão de Relação com os Clientes.

 

Email Marketing, SEO e Ferramentas da Área

De todas as dicas prometidas na introdução, é possível que a mais intrigante seja a respeito de SEO.

 

Afinal, como usar uma estratégia de otimização de página para motores de busca em emails, que são páginas privadas, abertas apenas pelo destinatário?

 

Na verdade, é bem simples: você pode e deve utilizar links nos seus emails, puxando o leitor para as páginas mais bem elaboradas do seu blog ou site institucional.

 

Isso também pode auxiliar no layout, pois se o conteúdo estiver enorme basta redirecionar o leitor.

 

Certamente, um tema como reciclagem de papel não pode se encerrar em apenas um email composto de poucos parágrafos, imagens e tópicos. O melhor de tudo é que ao fazer link com seu site, você aumenta seu tráfego e sua autoridade digital.

 

Toda essa estratégia nos leva ao último ponto, que é a necessidade de ferramentas de automação. Além de CRMs, você também precisa de um software de automação de disparos, pois é claro que não vai mandar emails um a um.

 

Aliás, além da agilidade, mesmo que você quisesse disparar emails sobre pilates solo manualmente, é bem provável que você acabaria penalizado pela provedora como um disparador de spam.

 

Hoje em dia existem dezenas de opções na internet, e elas são cada vez mais acessíveis e em conta.

 

A dica é procurar aquelas que oferecem algumas semanas de serviço gratuito, pois, assim, você pode se adaptar e ver se realmente se identifica com a solução.

 

Com isso, vemos como o email marketing pode mudar a rotina de um e-commerce, tornando os clientes muito mais engajados e satisfeitos, além de fortalecer sua marca.

 

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

Referências

8 DICAS DE EMAIL MARKETING PARA VOCÊ VENDER MAIS AGORA! 
Email Marketing para Ecommerce: Você Está Fazendo Isso Certo?
Email Marketing
Email Marketing e SEO, mas não do jeito que você está pensando 

5 Ebooks Exclusivos de Marketing Digital

Mergulhe de Vez no Mundo do Marketing Digital com 5 E-books Exclusivos.

 

Está cansado de não saber como colocar o Marketing Digital em prática na sua empresa?

O dia de acabar com isso chegou. Tenha acesso a 5 E-books Exclusivos que vão te ajudar

 

 

Clique aqui para fazer download dos 5 ebooks

 

COMO INICIAR NO MARKETING DIGITAL

COMO INICIAR NO MARKETING DIGITAL

Enviado imediatamente após a inscrição

 

COMO APLICAR O MARKETING DIGITAL NO SEU NEGÓCIO

COMO APLICAR O MARKETING DIGITAL NO SEU NEGÓCIO

Enviado 1 dia depois da inscrição

 

FACEBOOK ADS GUIA COMPLETO PARA CRIAR A SUA PRIMEIRA CAMPANHA

FACEBOOK ADS GUIA COMPLETO PARA CRIAR A SUA PRIMEIRA CAMPANHA

Enviado 2 dias depois da inscrição

 

MARKETING DE RELACIONAMENTO E AUTOMAÇÃO DE MARKETING

MARKETING DE RELACIONAMENTO E AUTOMAÇÃO DE MARKETING

Enviado 3 dias depois da inscrição

 

FUNIL DE VENDAS O CONTEÚDO IDEAL PARA CADA ETAPA DE VENDAS

FUNIL DE VENDAS O CONTEÚDO IDEAL PARA CADA ETAPA DE VENDAS

Enviado 4 dias depois da inscrição

 

Quero receber GRÁTIS os 5 ebooks

Como Converter Clientes Utilizando Landing Pages

Nenhum empresário pode ignorar as mudanças que ocorreram na transição entre o marketing offline e o online. No universo deste último, há várias estratégias a serem levadas em conta, mas certamente a da Landing Page é uma das mais promissoras.

 

Essas páginas de destino (tradução literal de landing pages), são muito mais do que uma simples sessão destacada do site. Ou ainda, muito mais do que uma página de promoções e vendas, ao contrário do que alguns pensam.

 

Seu foco é um call to action, ou seja, um chamado para ação. Seja ele qual for: pode ser uma simples curtida, um compartilhamento, o preenchimento de um formulário para captação de lead. Assim como pode ser, de fato, a consumação de uma venda.

 

A estratégia das landing pages se cruzam com vários conceitos de marketing digital.

 

Como Converter Clientes Utilizando Landing Pages

 

Especialmente com o de marketing de conteúdo, inbound marketing, funil de vendas, lead e jornada da compra, conforme veremos.

 

Afinal, o foco dessas páginas é justamente fazer o cliente avançar pelo funil. O incrível é que elas podem ser utilizadas em qualquer etapa da jornada e do processo.

 

Então, se você quer ficar por dentro das maiores técnicas que giram em torno dessa estratégia incrível, e descobrir como converter mais clientes, e de modo mais rápido, siga conosco na leitura deste artigo.

 

Conceitos Básicos Para Dominar As Landing Pages

Como dito acima, hoje o mercado da publicidade está dividido entre o marketing offline de um lado, e o marketing online do outro.

 

É verdade que algumas empresas trabalham ambas as modalidades ao mesmo tempo. De fato, um fornecedor de grama esmeralda (que é uma solução um pouco diferenciada), pode divulgar seu produto tanto pela internet quanto por panfletos, rádios, outdoors e afins.

 

Também assim, não é o fato de estar na internet ou fora dela que determina a linguagem utilizada. Na verdade, aí é que está o ponto: a linguagem antiga da publicidade apelativa, que só sabia focar no produto e na marca, é que tem caído cada vez mais em desuso.

 

Entrando em cena assim os princípios que são bases para aprendermos utilizar as páginas de destino com a máxima assertividade, sendo eles:

  • O de marketing de conteúdo;
  • O de inbound marketing;
  • O de funil de vendas;
  • O de jornada da compra;
  • O da evolução de um lead.

 

O lead nada mais é que um contato de uma pessoa que tem potencial, perfil para vir a ser seu cliente. Este é o grande ponto de mudança na ótica da nova linguagem de marketing.

 

Hoje uma empresa que anuncia seus serviços de iluminação para piscina de fibra, por exemplo, e não quer utilizar a linguagem antiga, não apelará toda hora para fatores como preço, prazo e promoções.

 

Ela precisa gerar conteúdos de qualidade que agreguem valor ao conhecimento do público, seja a respeito da solução oferecida, seja sobre conhecimentos gerais.

 

Chegando então ao chamado inbound e o marketing de conteúdo, nos quais as landing pages se incluem.

 

O funil de vendas nada mais é que as etapas que essa comunicação pode assumir, de modo a transformar um lead em cliente, com uma relação que vai muito além da publicidade que costumava massificar as pessoas e tratá-las como meros números.

 

A Primeira e Principal Das Dicas Para Converter

O call to action mencionado acima, também chamado simplesmente de CTA, tem uma finalidade simples, embora seu intuito seja um pouco mais complexo.

 

O surgimento das landing pages tem uma razão de ser bem interessante: existem websites, blogs e portais que conseguem atrair a atenção de muitos visitantes e leitores, mas não conseguem convertê-los em clientes ou mesmo em leads.

 

Talvez o site da sua indústria tenha os melhores materiais sobre transportador helicoidal (equipamento focado no transporte de granulados, pastas e pós), mas não saiba fazer CTA, como o de chamar o cliente para preencher um formulário, por exemplo.

 

Assim, o foco principal das landing pages é criar uma página que tenha poucas distrações, extraindo menus, banners e textos em excesso.

 

Contudo, isso deve ser feito sem que ela deixe de ser interessante, sem que deixe de ser um marketing de conteúdo.

 

Seguindo a mesma lógica, além de ela ir direto ao ponto, também deve prometer algo que tenha valor real para seus visitantes. Se o assunto é modernização de equipamentos, upgrades e retrofit de máquinas, disponibilize apenas parte do material na landing pages.

 

O fundamental da informação pode estar em um e-book mais completo. Assim, a estratégia amarra todas suas pontas.

 

Ao ver um bom conteúdo introdutório o visitante provavelmente irá querer o material mais completo, e para tanto você pede os dados de contato dele.

 

Pronto, ao fazer isso você já começou a converter seus visitantes e leitores em leads.

 

Como Qualificação e Segmentação Ajudam a Converter?

Para que o valor do banco de leads seja reconhecido é preciso compreendermos a mudança de paradigma mencionada acima: hoje grande parte do público mudou e já não aceita ser tratado de modo despersonalizado.

 

Diante disso, os leads assumem o papel e a importância dos próprios clientes. É neles que reside o potencial de crescimento da empresa.

 

De fato, há sites que captam dezenas de milhares de leads por mês, e depositam todas suas estratégias nisso.

 

Dada essa importância crescente, nos últimos anos surgiram várias ideias em torno desse conceito inovador. As principais são as de lead scoring e de qualificação de leads, cuja ideia central consiste em segmentar os contatos conforme o nível de interesse deles.

 

Graças a essas estratégias é que as landing pages podem se tornar muito mais eficientes, e converterem muito mais do que se fosse para o trabalho ser feito às cegas.

 

Assim, dependendo da interação que um leitor ou lead faz em uma landing page sobre instalação de DPS, que são os Dispositivos de Proteção contra Surtos (elétricos), é possível saber qual o interesse dele, e em que momento será conveniente abordá-lo comercialmente.

 

O scoring nada mais é que a “pontuação” do lead. É preciso ter esse controle para saber o momento exato de fazer cada tipo de abordagem.

 

A qualificação, por sua vez, deve ser feita pelo próprio marketing da empresa, traçando as estratégias ideais para cada conversão.

 

Geralmente o funil de marketing digital é escalonado assim:

  • Visitantes e público geral;
  • Leads e contatos informados;
  • Prospects já qualificados;
  • Suspects (não estão no momento de compra);
  • Oportunidades a serem convertidas;
  • Clientes ou leads já convertidos.

 

Deixar de respeitar essas etapas durante a comunicação com os visitantes/leads, é um dos principais motivos para não conseguir a tão almejada e necessária conversão.

 

Por isso, é fundamental ter um banco de leads organizado e segmentado conforme as etapas de cada contato, e em conformidade com as estratégias das landing pages.

 

A Importância De Saber Criar Uma Oferta Irresistível

Quando falamos acima sobre a diferença entre a velha e a nova linguagem, sobre os clientes que já não querem ser atraídos por promoções, preços e prazos, isso não quer dizer que as pessoas não busquem as melhores vantagens de mercado.

 

De fato, uma dica fundamental para que sua landing page converta é que ela tenha uma boa oferta. Ou seja, que ela ofereça algo que realmente interessa ao seu público.

 

Se a sua página sobre terraplanagem de terreno oferece um serviço que pode ser encontrado em qualquer blog, é pouco provável que o visitante queira pagar por isso.

 

Neste caso, você o fez passar pelas etapas do funil, mas não poderá entregar o que prometeu.

 

Portanto, uma boa estratégia de landing page não exime a empresa de ter os elementos comerciais básicos do mercado: uma boa solução, diferenciais competitivos, suporte e atendimento, reputação positiva no mercado e nas plataformas de qualificação de empresas.

 

O que as landing pages trazem, sem dúvida, é uma vantagem incrível em termos de CAC, ou seja, de Custo de Aquisição por Cliente.

 

Com elas, não é necessário malgastar um tempo enorme indo atrás dos interessados, pois, eles irão buscar por você.
Abaixo veremos como isso pode ser feito de modo ainda mais eficiente.

 

Como Aumentar o Tráfego Das Suas Landing Pages?

Se a landing page é uma página, ela pode ser promovida e divulgada tal como qualquer outro conteúdo digital de um website, não é mesmo?

 

Inclusive, os motores de busca da atualidade lidam justamente com páginas, e não com websites inteiros. Isso quer dizer que uma empresa pode ter uma ou mais páginas bem ranqueadas, e outras não.

 

A dica fundamental aqui é a palavra-chave e a formulação. Se o seu material é sobre nobreak para ar condicionado, por quê não fazer o SEO da página e garantir que sempre que o cliente escrever esse termo nos buscadores você aparecerá com destaque?

 

Em português a sigla SEO (Search Engine Optimization) significa, justamente, Otimização para Motores de Busca.
E o mais interessante é que algumas das exigências de ranqueamento servem para tornar seu material naturalmente melhor.

 

Os sites melhor colocados são os que têm melhor conteúdo e melhor formatação. Assim, mais do que simplesmente repetir uma palavra-chave como “mezanino industrial“, é importante investir no título, na descrição, no uso de imagens e de tópicos.

 

Ao garantir a divulgação da página, a qualidade do seu conteúdo, e a compreensão dos conceitos desenvolvidos acima, certamente você fará suas landing pages converterem muito mais clientes, aumentando incrivelmente os resultados da sua empresa.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Saiba como conseguir uma lista de e-mails

Desde que a internet se tornou popular, o e-mail tem sido o meio de comunicação mais utilizado no mundo online.

 

Até com o surgimento de diversos mensageiros e das redes sociais, ao contrário do que muita gente imaginou, o e-mail continua sendo um dos veículos preferidos dos internautas. E isso é ainda mais verdadeiro se considerarmos o mundo corporativo.

 

Portanto, no post de hoje vamos ver como conseguir lista de e-mails para manter uma base de dados de seus leads. Confira!

 

Por que construir uma lista de e-mails

Se está tocando um empreendimento online ou físico — seja qual for o tipo — você precisa manter contato com seus leads. E, como praticamente todo mundo possui um endereço eletrônico, construir uma lista de e-mails é um dos procedimentos mais baratos e eficazes para se criar esse relacionamento.

 

Além de ter uma alta taxa de conversão, o e-mail também ajuda a criar monetização contínua, pois você pode utilizar sua lista para lançar e ofertar múltiplos produtos durante anos.

 

E isso vale tanto para gigantes corporações virtuais, como a Amazon, quanto para pequenos e iniciantes empreendedores — inclusive para quem trabalha como afiliado.

 

Mesmo se ainda não estiver vendendo algum produto, é fundamental começar agora a construir sua lista de e-mails. Se você possui um blog, por exemplo, pode notificar seus contatos toda vez que publicar um novo conteúdo.

 

A seguir, vamos mostrar como conseguir lista de e-mails de forma eficaz.

 

Como conseguir lista de e-mails

Existem algumas estratégias para construir sua lista de forma orgânica e gratuita. Na maioria das vezes, você captura o e-mail do seu contato por meio de uma landing page.

 

O segredo aqui é saber como conduzir o contato para essa página de captura e convencê-lo a deixar seu e-mail, transformando-se em m um lead. Vejamos como fazê-lo:

 

1. Construindo uma lista por e-mail

No geral, esta estratégia funciona para quem já possui uma lista e deseja ampliá-la, ou quem quer criar uma nova.

 

Um ponto importante: você precisa criar um conteúdo interessante e valioso, pois de nada adianta criar uma lista e não mantê-la aquecida.

 

Do contrário, se os seus leads não se sentirem interessados pelo seu conteúdo, eles vão se descadastrar da sua lista. Ou, ainda pior, alguns podem marcar você como spam — o que é péssimo para o seu impulsionamento rumo ao sucesso.

 

Além do conteúdo, instigue seus contatos a compartilhar seus e-mails com os contatos deles. Para isso, você pode colocar no corpo da mensagem, por exemplo, um botão “Envie para um amigo”, por meio de um código html.

 

Outra opção bacana é colocar botões para as suas mídias sociais dentro do e-mail. Assim, seu contato poderá curtir sua página no Facebook assim que receber um e-mail, por exemplo.

 

Com isso, um amigo dele verá que ele curtiu sua página e poderá se interessar também. E, dentro dela, encontrará um botão para assinar sua lista. Então, o ciclo se repete.

 

2. Criando conteúdo para capturar e-mails

Você criou uma landing page — e agora? Acha que as pessoas vão simplesmente colocar seu e-mail lá porque acharam o design da página bonito?

 

É necessário entregar algo em troca. E, de preferência, um conteúdo rico, algo que pareça muito valioso para custar somente um e-mail em troca.

 

Eis alguns exemplos de conteúdo que você pode oferecer em troca do e-mail do seu contato:

  • e-books, white papers, reports;
  • minicursos (que podem servir como introdução para outro curso mais completo, que você tentará vender posteriormente);
  • testes, trials, demonstrações (particularmente, se o seu produto for um novo software ou serviço online por meio de dashboards);
  • concursos e sorteios;
  • planilhas;
  • checklists;
  • guias;
  • kits;
  • podcasts;
  • vídeos;
  • apresentações em slide;
  • templates e modelos;
  • eventos, hangouts, aulas grátis ao vivo, webinários;
  • ferramentas e aplicativos gratuitos.

Enfim, a lista é imensa. Use a criatividade! Mas lembre-se sempre de entregar VALOR — é isso que manterá seus leads ativos e transformá-los em clientes.

 

3. Utilizando redes sociais

Redes sociais também proporcionam formas de atrair leads. Uma campanha do Twitter, por exemplo, pode ser eficaz para conduzir seguidores a uma landing page, em que possam colocar seu e-mail em troca de algum conteúdo valioso, como um e-book.

 

No Facebook, páginas possuem a opção de diversas chamadas, que também podem conduzir a landing pages para capturar e-mails. Sem contar que, nas próprias campanhas e anúncios pagos, você pode colocar botões para landing pages.

 

Outras mídias sociais, como o LinkedIn e o Pinterest, também oferecem opções para colocar links e botões para atrair leads. No YouTube, há a opção de colocar botão de chamada para ação e URLs diretamente nos vídeos.

 

Enfim, há muitas formas de conseguir listas de e-mails pelas redes sociais. As opções são variadas, e cada dia surgem mais novidades.

 

4. Capturando e-mails diretamente do site

No seu site, você pode colocar ofertas com link para captura de e-mail. Seja por meio de banners que conduzem a uma oferta específica, seja pela assinatura de uma newsletter, pela qual você começará um relacionamento de longo prazo com seu lead.

 

Também é fundamental ter um blog com conteúdo valioso que gere tráfego ao seu site. Assim, você terá oportunidade de linkar suas postagens a landing pages para capturar e-mails, ou incluir chamadas para ação induzindo o leitor a assinar a sua lista.

 

5. Conseguindo contato por meio de parcerias

Outra forma de conseguir lista de e-mails de forma orgânica e gratuita — ou, ao menos, barata — é por meio de parcerias.

 

Você pode, por exemplo, rodar uma promoção num site parceiro ou em newsletters que tenham um público-alvo próximo ao seu, para coletar seus e-mails de uma fonte já aquecida. Em troca, seu parceiro ganha mais divulgação e tráfego, já que vocês trabalharão em conjunto.

 

Ainda há a possibilidade de ofertar um produto em coautoria com um parceiro, seja um e-book, um webinário ou qualquer outro produto ou evento. Unindo forças, há grandes possibilidades de colher frutos grandiosos para ambos.

 

O que NÃO se deve fazer para conseguir listas de e-mails

 

Já ensinamos como conseguir lista de e-mails da forma correta. Agora, antes de encerrarmos nosso post, vejamos algumas práticas erradas que algumas pessoas adotam, e que você deve evitar.

 

1. Comprar listas de e-mails

De início, pode ser tentadora a oferta de comprar uma lista com dezenas ou centenas de milhares de e-mails por uma bagatela. Mas há dois motivos principais para não cair nesta tentação:

 

Segmentação

Considerando que sejam válidos — é grande a chance de estarem desatualizados — há ainda a questão de que tais e-mails podem pertencer a todo tipo de gente do mundo. Ou seja, é o caminho inverso do que se aconselha.

 

Na verdade, você deve procurar um público segmentado com grande chance de comprar suas ofertas. Vale infinitamente mais uma lista pequena com leads qualificados do que uma gigantesca com contatos inúteis, que jamais comprarão de você.

 

Voluntariedade

Ninguém gosta de receber spam. E, se você enviar mensagens para quem não se cadastrou voluntariamente em sua lista, isso significa fazer spam.

 

Por isso, comprar lista é a pior forma de construir um relacionamento com seus possíveis clientes. Você precisa persuadir a pessoa a deixar o e-mail para fazer parte da sua lista, seguindo as dicas que mostramos.

 

2. Usar e-mails aleatórios e pessoais

Achar e-mails perdidos pela internet, ou encontrados em algum site por aí, também é ruim, e pelo mesmo motivo anterior: não forma um público segmentado, tampouco que entrou na lista voluntariamente.

 

Outra ação pouco aconselhável — e que alguns ainda fazem, principalmente quando estão começando a construir suas listas — é usar seus contatos pessoais.

 

Você até pode apresentar seus produtos e serviços para amigos, colegas e parentes, mas não coloque os e-mails deles na sua lista por conta própria. Até porque, quase sempre, eles estarão lá para fazer número, mas não serão e-mails qualificados.

 

Enfim, a última dica, e provavelmente a mais valiosa: ame os seus leads! Afinal, são eles os responsáveis por alavancar o seu sucesso e lhe trazer dinheiro.

 

E aí, entendeu como conseguir lista de e-mails? Mais ainda: entendeu como mantê-la? Então, aproveite agora para assinar a nossa newsletter e não perca nenhuma de nossas próximas dicas!

 

Fonte: Blog Leadlovers